Atraso intelectual - o que significa esse diagnóstico?

Fabiana Leme de Oliveira

Foto: médico seguranddo prancheta e ao fundo um pessoa sentada
Foto: médico seguranddo prancheta e ao fundo um pessoa sentada

Quando a família recebe um diagnóstico surgem muitas dúvidas.

O que é atraso intelectual? Qual a diferença para uma dificuldade de aprendizagem? E a deficiência intelectual?

Por isso a informação é fundamental para que essa família possa se reestruturar e compreender o que muda em suas vidas, quais as melhores formas de estimular essa criança e quais profissionais são necessários para auxiliá-los nessa tarefa.

Pensando nesse momento, seguem algumas orientações importantes: 

O atraso intelectual é um diagnóstico referente a deficiência intelectual. Diferente de um atraso apenas a deficiência intelectual é um transtorno do desenvolvimento que compromete o desenvolvimento global do indivíduo. Afinal, o que é deficiência intelectual?

Segundo a American Association on Intellectual and Developmental Disabilities* "a deficiência intelectual é uma deficiência caracterizada por limitações significativas tanto no funcionamento intelectual quanto no comportamento adaptativo, que abrange muitas habilidades sociais e práticas cotidianas. Esta deficiência tem origem antes dos 18 anos".

Então o que fazer?

A estimulação é fundamental para que a criança desenvolva ao máximo o seu potencial, essa estimulação pode ser realizada por profissionais nas áreas da linguagem (fonoaudiólogo), motora (fisioterapeuta, psicomotricista) e das habilidades sociais e de aprendizagem (psicólogos, psicopedagogos).  

Em casa, no seu dia a dia, você também pode estimular (e muito!) o desenvolvimento da criança. Aproveite essas orientações abaixo: 

 - Estimule a nomeação dos alimentos, dos diferentes objetos em casa, o nome das pessoas que convivem com a criança, os animais de estimação.

- Estimule a compreensão de solicitações incentivando a autonomia. Às vezes no início pode ser difícil, mas é importante persistir e continuar solicitando e não realizando as atividades por eles; 

- Faça uma parceria efetiva com a escola. Acompanhe o desenvolvimento do seu filho ou filha, observe os materiais e agendas, observando se a criança está sendo estimulado e incluído com a turma; 

Foto: Fabiana Leme
Foto: Fabiana Leme

Além da leitura do artigo, assista o vídeo e aproveite para refletir sobre esse tema tão importante. 

Você ficou com dúvidas ou quer sugerir outros temas? Use os cometários aqui abaixo, combinado? 

Até o próximo artigo, Fabiana