Como entender o diagnóstico clínico do meu aluno?

Fabiana Leme de Oliveira

Desenho de papéis e 3 pontos de interrogação
Desenho de papéis e 3 pontos de interrogação

Confusos com nomes complicados e com muitas dúvidas. 

É assim que nos sentimos muitas vezes na escola, quando recebemos os relatórios médicos de alunos com deficiência ou com transtorno do espectro autista.

Mas como compreender melhor o diagnóstico dos alunos na educação inclusiva e como isso pode colaborar no dia a dia de sala de aula?

Pensando nisso separei algumas orientações importantes para auxiliar professores e gestores da escola na compreensão dos relatórios clínicos e sua importância na escola.

Não se assuste com nomes complicados ou siglas desconhecidas

Siglas, nomes complexos e códigos de condições clínicas são um desafio para compreensão do que realmente o aluno têm. 

Mas é importante lembrar que o diagnóstico clínico é uma referência para médicos e terapeutas sobre o diagnóstico, tratamento e prognóstico. 

Você já ouviu falar em CID?

A Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados com a Saúde foi desenvolvida pela Organização Mundial da Saúde (OMS), com o objetivo de monitorar a incidência de doenças, através de uma padronização universal das doenças, problemas de saúde pública, sinais e sintomas, queixas, causas externas para ferimentos e circunstâncias sociais. Atualmente está em vigor a CID-10, mas já há uma revisão que entrará em vigor em Janeiro de 2022, a CID-11.

Na escola temos alunos, não pacientes

Desenho de 4 crianças em uma mesa. Uma delas é cadeirante
Desenho de 4 crianças em uma mesa. Uma delas é cadeirante

Esse é um ponto bastante importante: O diagnóstico clínico é importante, mas na escola é preciso considerar o indivíduo além do seu diagnóstico. 

Compreender as diferentes patologias e condições de nossos alunos, com certeza auxilia nossa prática, pois precisamos conhecer diferentes formas de desenvolvimento (típico e atípico) para conduzir o processo de aprendizagem do aluno, com segurança.

Muitas vezes buscamos nos profissionais da área clínica repostas para como realizar o processo de ensino e aprendizagem dos alunos com alguma deficiência ou com algum transtorno. De fato, os profissionais da área da saúde contribuem muito com nosso olhar, mas quem realmente conhece o processo de aprendizagem do aluno dentro do contexto de sala de aula é o professor. 

Mesmo diagnóstico, pessoas diferentes

A classificação das diferentes condições humanas em códigos e tabelas não consegue determinar como cada indivíduo irá se desenvolver. Muito além da classificação clínica, fatores como o ambiente, predisposições genéticas e estimulação influenciam no desenvolvimento global de cada indivíduo.

Isso também se aplica à Educação Inclusiva. Cada aluno traz consigo uma história e somente após vivenciar as experiências escolares é que saberemos como ele vai se desenvolver e quais apoios necessitará. 

Trabalho em parceria

Histórica e socialmente os conhecimentos clínicos apresentam um status social diferenciado de outras áreas de atuação.

Não existe uma hierarquia entre os conhecimentos de clínicos e de professores. Cada qual têm saberes diferentes e atuam com uma mesma pessoa: o aluno. 

Quanto mais a parceria e o compartilhamento de saberes se estabelecer entre escola e clínica, mais o processo da inclusão escolar se qualifica.

Quem realmente conhece o desenvolvimento pedagógico desse indivíduo é o professor em sala. Minimamente convivemos por 200 dias letivos, durante 4 horas por dia em média. Observamos e intervimos em situações coletivas, propondo diferentes desafios ao indivíduo para sua inclusão social. 

Essa dinâmica precisa ser considerada e os professores precisam ser fortalecidos com formação continuada para qualificar sua atuação e assim poderem ampliar a parceria com os profissionais clínicos que acompanham esse aluno, trocando saberes e estabelecendo uma escola realmente inclusiva.

Aproveite os comentários para trazer suas reflexões, suas dúvidas e sugestões de temas.

Conheça também o INCLUzap, nossa lista de transmissão no WhatsApp com muito conteúdo e informação.

Como funciona?

Mande um WhatsApp para (11) 95956-5945 solicitando sua inserção ou clique na figura abaixo! Totalmente gratuito!